Articles

RSS
  • (Resenha) The Strokes - Comedown Machine (2013)

    15 avr. 2013, 23h04m



    Mais falsetes e mais "Angles"....

    Os Strokes voltaram dois anos depois do último lançamento em 2011, o disco "Angles" que foi lançado 7 anos depois de "First Impressions of Earth", em 2006.

    Strokes era uma banda que tinha três albuns intocaveis, que conquistou muita gente em três álbuns ótimos um atrás do outro. Mas em 2011 vieram com um disco que não agradou muito os fãs do seu rock simples de garagem,. Alguns gostaram, alguns ignoraram. Eu mesmo só me recordo de uma ou duas faixas do disco todo. Não me cativou aquela emoçao que os outros álbuns cativaram.

    Então dois anos depois, vieram com o lançamento do disco "Comedown Machine".
    Lançaram uma música para audição que faria parte do novo disco chamada "One Way Trigger". Os fãs (como eu) viram isso como uma zoação, pois...qual é? Strokes tocando assim? Uma mistura de rock com tecno-brega que chamou a atenção até da Gaby Amarantos. Vi muita gente decepcionada com isso e entao logo depois lançaram a faixa "All The Time", que foi muito bem recebida, muito mesmo pois ela tinha uma mistura de todos os três primeiros discos. Eles sabiam que essa música iria ser o BOOM do novo disco que logo então lançaram um clipe para essa faixa.

    "Tap Out", música que abre o disco, é uma faixa simples, meio Room on Fire mas repleta de falsetes. Tem um amigo meu que até perguntou "quem é essa menina cantando com o Julian?" (sem brincadeira.)

    "50/50" é uma faixa que me chamou muito a atenção desde o inicio, com o instrumental bem agitado e o baixo chamativo de Nikolai bem forte na canção. Essa música é demais!

    "Slow Animals" também é outra faixa meio Room on Fire mas misturada com Angles. O instrumental é muito bom e a voz baixinha e arrastada de Casablancas antes do refrão é demais e logo, o refrão não deixa a desejar.

    "Chances" me lembrou mais a epoca "First Impressions Of Earth" que era mais pesada do que os outros trabalhos anteriores. Essa vale a pena ouvir com carinho.

    Depois que ouvi (bem sem vontade) o "Angles", eu fiquei desanimado com um novo lançamento da banda, fiquei tão desanimado que até demorei a ouvir o "Comedown Machine" mas me arrependo pois o cd está muito bom, e recomendo bastante. Especialmente pra ouvirem as faixas que comentei.

    Pra quem quiser conferir, eis o endereço pra vocês baixarem o disco:
    http://www.vitaminamusical.net/2013/03/the-strokes-comedown-machine.html

    Nota: 7.5/10
  • Resenha Fall Out Boy - Save Rock and Roll (2013)

    14 avr. 2013, 21h23m



    Lembro muito bem que na epoca do Infinity On High, um conhecido meu me disse que o Fall Out Boy tinha lançado uma música com uns rappers, daí eu comecei a pensar que era realmente um rap, mas na verdade se tratava do clipe de This Ain't a Scene, It's An Arms Race, no qual aparece a banda gravando num estúdio de rap (ou não, foi só o que achei que fosse.), quando ele me disse isso eu logo fiquei assustado, já pensou Fall Out Boy fazendo música meio rap? Não julgando o genero músical, mas só não combina, sabe? Então quando vi que nao era rap eu logo me aliviei...Só não sabia que isso iria acontecer anos mais tarde com a música Mighty Fall, que tem a participaçao do rapper Big Sean. Logo me questiono: Isso é mesmo Fall Out Boy?

    Eu era um dos que achavam que a banda tinha realmente acabado. Daí vi Patrick Stump fazendo projeto solo, e Andy Hurley e Joe Trohman fazendo parte da banda The Damned Things então logo achei que realmente era o fim dos Fall Out Boys..

    Até que (não me lembro quando) esse ano, bem no inicio fui surpreendido pela notícia de um clipe e música nova, e logo depois: um álbum novo! Fiquei totalmente empolgado pois Fall Out Boy é uma das bandas que eu mais ouvi la pra 2006..e o que me chamou super a atenção foi o título do álbum "Save Rock and Roll", pronto! Imaginei que seria um estrondo incrível pra deixar 2013 com bastante disco bom. Tá, fui assistir ao clipe que foi lançado, o "My Songs Know What You Did In the Dark" (uma coisa que sempre achei típico deles: canções com nomes gigantescos, que foi um ponto exterminado nesse novo disco). A música ta bacana, foi bem legal, eu gostei mas com o pensamento de "Quero ouvir o álbum logo, pode estar bem melhor que essa música". Tem umas músicas melhores. "Miss Missing You" é bacana, uma música que passa uma vibe feliz..AHH. esqueci de comentar que o álbum começa com a música chamada "The Phoenix" cujo o titulo me fez pensar: RESSURGIRAM!!!
    Mas ta aí uma coisa que foi chata, ressurgiram com techno???

    "Just One Yesterday" tem a participação de uma cantora que eu nunca tinha ouvido falar chamada Foxes, que tem uma voz boa...Mas wait! conheço essa melodia...Parece a mesma de Rolling in the Deep, da Adele ou é só eu que notei isso????

    Uma música que se tornou minha favorita foi "Rat a Tat" com a participação da Courtney Love cantando com bastante atitude. Essa eu dou cinco estrelas (5/5)

    Tem também a participação de Elton John, na faixa título do álbum "Save Rock and Roll" que tem um piano bem pegajoso e divertido e a voz bem marcante de John cantando o refrão junto com Patrick.

    Conclusão sobre o retorno e sobre o álbum: Sempre que uma banda acabar e os integrantes da banda formarem outra, com toda certeza que quando a banda retornar, vai retornar com influencias das bandas formadas...Por exemplo, o blink-182, acabou e logo depois Tom DeLonge formou o Angels & Airwaves, com músicas com tons ficticios, futuristicos e espaciais. Daí anos mais tarde o blink-182 voltou, e voltou com músicas que pareciam do Angels & Airwaves. Aconteceu o mesmo com o Fall Out Boy. Patrick Stump fez seu projeto lá meio pop meio rock, e o que aconteceu com a banda quando retornou? Meio pop meio Rock.

    *essa foi minha primeira resenha de álbum, então, podem criticar pra que eu possa saber onde melhorar!*

    PS: pra quem ficou com vontade de ouvir o disco novo, segue abaixo um link pra download.!

    Nota: 6/10
  • Misfits no Circo

    20 avr. 2011, 21h09m

    nao fui