Articles

RSS
  • Altos e Baixos.

    21 oct. 2012, 20h13m

    Sábado 20 Out – Robert Plant - Sensational Space Shifters

    O Expominas as 17:30 era um lugar praticamente deserto. Umas 20 pessoas na fila da Pista Prime e em torno de 50 pessoas na fila para a ''pistona''. Era evidente que a expectativa não estava lá muito alta. Todo mundo queria ouvir Led Zeppelin, ninguém ali estava interessado na carreira solo de Robert Plant.

    Quando os portões abriram o lugar ainda estava vazio. E assim ficou até por volta de 20:30, 21:00. Como num passe de mágica o espaço reservado para o público estava lotado. Quem estava sentado levantou e se espremeu pra ver melhor o dono da voz do Led Zeppelin. A expectativa parecia só crescer e quando o relógio marcou 22:00 já se ouvia alguns gritos e assobios, a maioria estava ansiosa pelo que estava por vir. Por volta de 22:20, 22:30, o não tão bom inglês entrou no palco com sua banda, em meio a muitos gritos e palmas.

    O Golden God não falou muito e abriu seu show com Tin Pan Valley, uma música que no começo me pareceu chata, mas que depois surpreendeu. Tenho certeza que Bonham não ficaria desapontado. O show seguiu com 44 e Friends, esta apesar de ser dos tempos de Led Zeppelin não é muito conhecida e tenho certeza que para muitos passou como mais uma música da carreira solo de Plant.

    A plateia aplaudia muito, reconhecendo o trabalho, a voz e o ícone que é Robert Plant, mas com mais uma série de músicas desconhecidas todos deram uma esfriada, Spoonful e Somebody Knocking deram lugar a uma versão bastante oriental de Black Dog, ainda sim com muitos ''aaaaaa ha'' era possível se sentir num pedacinho de um show do Led Zeppelin. Em alguns momentos era inevitável sentir falta de um Black Dog do jeito que todos estão acostumados a gritar por aí, com o mesmo ritmo, a mesma continuidade. Era difícil saber quando Plant iria cantar mais agressivamente ou mais pausadamente, o que deixou todos um pouco confusos.

    (Funny fact: Plant estava desfilando com uma bandeira aparentemente do Brasil que jogaram pra ele, mas na verdade, era uma bandeira com o símbolo do Cruzeiro no meio. Genial pra alguns, coisa de retardado pra outros.)

    O show segui com Song to the Siren e Bron-Y-Aur Stomp, mais uma que é do Led Zeppelin e infelizmente pouco conhecida. Mais uma vez a plateia esfriou, mesmo assim todos continuavam a bater palmas e admirar o bom trabalho de Plant. Enchanter tocou e promoveu um soninho geral. A música não é ruim, mas não é conhecida, é longa e todos queriam algo mais rock'n'roll. Gallows Poles atendeu o pedido, apesar de um pouco mais lenta do que a versão original animou o público e fez o Expominas um lugar bem mais quente que antes.

    Para o delírio de toda a população maluca por Led Zeppelin Ramble On começou. Os riffs, a voz, a bateria. Ninguém ficou parado. Era o Zeppelin ali, no palco. Claro que Plant não gastou toda sua voz, no refrão ele cantou só alguns pedaços: ''Ramble on ... sing my song... on my way... ramble on...gotta find the queen of all my dreams'' As partes que faltavam pra completar a música fizeram falta, mas não o bastante pro público ficar abalado.

    Fixin' To Die começou, tirando todos do êxtase causado por Ramble On. Mas não durou muito. A música acabou dando lugar para aquele lindo e conhecido riff de Whole Lotta Love. Todos gritaram com todas as forças possíveis, Plant cantou tudo, como deve ser. Dando lugar pra plateia berrar ''Whole lotta love'' várias vezes.

    Plant até então não tinha dito muito. Tinha agradecido, falado um ''Tudo bom?'' e um ''E aí, galera?'' com um português duvidoso e também falado que o público estava fazendo muito barulho. Com o final de Whole Lotta Love ele se despediu e agradeceu, tudo muito rápido. Claro que todos sabiam que tinha mais por vir.

    Realmente tinha, bem mais. Plant voltou e falou palavras doces, que vai ressoar na mente de muita gente daqui pra frente. Ele disse: '' You know? I'm not a young man anymore. And yet, sometimes these amazing things happens when you do something for the first time. And I... I'm so glad to be here. It's beautiful. And with such a great company on the stage and it seems such a great company ou there too, so thank you for coming out tonight.'' Só isso já deixaria qualquer um vontade de abraçar essa figura tão importante do rock e nunca mais deixá-lo ir embora, mas não foi só isso. Plant ''jogou o sapo n'água'' e falou: ''I suposse you like an old song.'', e o público respondeu. Alto, em muito bom tom, implorando por uma música velha. E pra completar a filosofia do amado Robert: '' They're all old sooner or later.''

    Começa assim os primeiros acordes de Going to California. Não há palavras pra descrever o momento. Todos cantando juntos uma belíssima canção, junto com a peninha dos símbolos do Led Zeppelin. Era como ouvir a canção direto do vinil de Led Zeppelin IV. A voz, os instrumentos, tudo. Era Led Zeppelin. Simplesmente, emocionante.

    Pra finalizar o show, que superou as expectativas de todos e deixou todos de sorriso na cara, Rock and Roll. Mais uma vez lembrando Led Zeppelin. A música ressonou alta, forte, áspera e todos presentes gritaram o quanto podiam. O show tinha acabado, mas ficará na memória de muitos por muito tempo.