Articles

RSS
  • As primeiras partes de Six organs of admittance

    8 nov. 2008, 14h53m

    Dolorosas.
  • Os Mestres

    2 juin 2008, 23h08m

    Domingo 1 Jun – Bill Callahan, Alasdair Roberts

    Depois de uma semana cheia de concertos, em que tive o privilégio de assistir também a Cat Power e a Scout Niblett, e na mesma semana em que se fala da palhaçada da Amy Winehouse no Rock in Rio, tenho umas quantas coisas a dizer.

    A Cat power deu um bom concerto, mas estava afónica, desconcentrada e com "falta de poesia". A Scout Niblett fez na ZdB um belo espetáculo, mas a forma como geriu a sua própria (e muito bela) instabilidade, por muito que tenha gostado dela, deram que pensar. A Amy Winehouse é apenas o exemplo showbiz do que se está a viver na música popular no geral. Isto tudo para dizer que, ver o Alasdair Roberts e o Bill Callahan é um prazer de, além de tudo, ver dois homens que prometem, e cumprem!

    Foi um concerto extraordinário, ao qual não faltou nada.
    Daqueles momentos em que parece que há - e talvez houvesse mesmo, no seu sentido mais lato - magia no ar. Aqueles homens que ali estiveram, cada um a sua maneira, fizeram com a música o melhor que ela pode dar. Aquele sentimento de que saímos do Santiago Alquimista e que nunca nos vamos esquecer daquela noite. Porque saímos de lá mais ricos, mais sábios, mais preenchidos, mais apetrechados para a vida!

    As canções de um e de outro são magníficas. O Alasdair, que não compreendo como ainda não dá concertos sozinho - pagaria 18 euros só para o ver - mais frágil, mais ingénuo, o Bill, mais robusto, mais cínico, mas os dois igualmente puros. Dois seres humanos ricos e generosos que partilharam connosco o seu belo belo interior.

    O Alasdair é um anjo trovador caído na terra.

    E que precisão, Bill Callahan! Que domínio! Que voz! Que guitarra! Que presença em palco, minimalista mas sem puder ser de outra forma. Tivesse sido de outra forma e não se respeitaria a pureza das canções.

    A certa altura, olhei melhor, como se tivesse aberto olhos pela primeira vez naquela noite, mesmo com os olhos abertos, e olhei para aqueles tipos ali a 3 metros de mim e pensei "isto está mesmo a acontecer?"

    Foi perfeito.